quinta-feira, 8 de maio de 2014

TERMOS - LETRAS Ta => Te

TABACO: é uma droga psicoativa que tem o poder de causar dependência rapidamente e, após instalada a tolerância, o corpo se adapta para a utilização de nicotina, e de muitas substâncias prejudiciais e mesmo após o usuário conseguir deixar o vício, permanece a necessidade de nicotina no organismo. A nicotina rompe o equilíbrio neuro transmissor, estimulando algumas substâncias químicas, interrompendo a transmissão de outros e aumentando a atividade elétrica do cérebro de forma idêntica, porém inferior, a cocaína e as anfetaminas. O uso do tabaco comprime os vasos sangüíneos, eleva o ritmo cardíaco e a pressão arterial, diminui o apetite e amortece parcialmente os sentidos de gosto e do olfato e irrita os pulmões; causa ainda tonturas e náuseas no início do uso e por isso o corpo precisa se adaptar ao novo veneno em seu interior. Há também no início entorpecimento e embriaguez e depois ocorre uma tosse inoportuna e a produção de salivação grossa e desagradável, que dificulta a respiração, principalmente pelos danos causados aos pulmões e coração, sem contar a possibilidade crescente do surgimento de câncer, o qual provoca um grande número de óbitos.
O mascar tabaco é outra forma da utilização da nicotina muito prejudicial, pois não só favorece a ingestão dessa substância, mas também causa câncer oral e ainda provoca hálito desagradável e deixa os dentes impregnados dessa substância, com aparência ruim. Mesmo o rapé, tabaco torrado, que é posto na boca, sob a língua, ou aspirado pelo nariz, provoca doenças nas gengivas e câncer de boca.

TABELA PERIÓDICA: uma tabela de elementos dispostos em ordem crescente do número de prótons (número atômico), de modo a evidenciar a semelhança das propriedades dos elementos químicos com configuração eletrônica similar.

TABELA PERIÓDICA; CURIOSIDADE: Mendeleev: periodicidade e previsões. Dimitri Mendeleev foi professor universitário na Rússia e fez uma importante descoberta na história da Ciência enquanto estava escrevendo um livro de Química: ele registrou as propriedades de cada um dos elementos químicos conhecidos (na época eram 63) em fichas de papel, uma ficha para cada elemento. Manipulando as fichas, na tentativa de encadear as idéias antes de escrever determinada parte da obra, Mendeleev percebeu algo extraordinário. Mendeleev organizou as fichas de acordo com a ordem crescente da massa calculada dos átomos de cada elemento. Notou que nessa sequência apareciam, a intervalos regulares, elementos com propriedades semelhantes. Havia uma periodiciade, ou seja, repetição nas propriedades dos elementos.
Ele chegou a fazer previsões da existência de elementos químicos ainda não conhecidos, suas propriedades e de compostos que poderiam ser formados por eles.

TALCO (Mg3H2Si4O12): é um silicato de magnésio hidratado que, quando na forma criptocristalina, recebe o nome de “esteatita” e tem emprego medicinal, indústria do papel, sabões e aprestos, moldes refratários, bicos de lâmpadas de acetileno, isoladores de alta tensão, aparelhos de calefação elétrica, cargas para artigos de borracha, inerte para veículos de inseticidas, polimento de arroz, velas para automóveis, etc...

TALIDOMIDA: hipnótico usado em diversos países até 1963. Era livremente receitado como tranqüilizante para mulheres grávidas, até que em 1962 descobriu-se uma ligação entre um certo tipo de deformação fetal e o uso da talidomida. A tragédia se transformou num marco histórico, a partir do qual adotou-se medidas mais rígidas no controle clínico dos medicamentos.

TÁLIO (Tl): um elemento metálico acinzentado que pertence ao grupo 13 da tabela periódica. Tem poucas aplicações em ligas experimentais para fins especiais e uso reduzido em eletrônica.

TAMIZAÇÃO OU PENEIRAÇÃO: processo rudimentar de separação dos componentes de um sistema sólido-sólido, empregado quando os componentes apresentam granulações (tamanho dos grãos) diferentes.

TAMPÃO: é uma mistura de ácidos e bases conjugadas fracas que estabilizam o pH de uma solução, fornecendo uma fonte ou um consumidor de prótons.

TANINO: sua adstringência (provocar a contração dos tecidos) é devida à propriedade que têm os taninos de se ligar às proteínas lubrificantes da saliva e de bloquear suas funções.

TÂNTALO (Ta): um elemento de transição, metálico, pesado e azul acinzentado. O elemento é usado em certas ligas e em componentes eletrônicos. Instrumentos de tântalo são também usados em cirurgia pelo fato do metal ser de natureza pouco reativa.

TAURINA: é um aminoácido não-essencial contendo enxofre que age com a glicina e o ácido gama-aminobutírico como um transmissor neuroinibidor. Quando há extrema exaustão física, o corpo não produz a quantidade de taurina necessária, causando uma certa deficiência. A taurina age como transmissor metabólico tem efeito desitoxicante e fortalece as contrações cardíacas. A taurina não é incorporada em enzimas e proteínas, mas possui um papel importante no metabolismo dos ácidos da bile.
É incorporada como um dos ácidos mais abundantes da bile (o ácido quenodeoxiclóico) onde serve para emulsionar nos intestinos os lipídos ingeridos na dieta, promovendo a sua digestão. Sua síntese ocorre no fígado e no cérebro. Grandes concentrações deste composto também foram encontradas no intestinos e ossos esqueléticos.

TAUTÔMEROS: compostos que apresentam ligações duplas e/ou triplas cujas estruturas diferem grandemente, uma da outra, pela disposição dos átomos, mas que se encontram em equilíbrio. O mais comum tipo de tautomeria envolve a diferen-ciação das moléculas pela mudança do ponto de ligação de um átomo de hidrogênio: o equilíbrio tende para a forma em que o átomo de hidrogênio está ligado a um átomo de carbono em vez de tender a estar ligado a um átomo mais eletronega-tivo, como o oxigênio, ou seja, a forma ácida mais fraca tende a ser a mais estável. Isto ocorre com os aldeidos e enóis (aldoenólica) ou cetonas e enóis (cetoenólica).

TAXA DE COMPRESSÃO: é a relação entre o volume de um dos cilindros do motor com seu pistão no ponto morto inferior (ou seja, totalmente “em baixo”) e o volume da câmara de combustão correspondente (volume do cilindro com o pistão no ponto morto superior, ou seja, totalmente “em cima”), e indica quantas vezes o volume de mistura é comprimido antes de ocorrer a centelha da vela de ignição. Assim uma taxa de compressão de 9:1 indica que a mistura é comprimida 9 vezes.

TAXA DE EVAPORAÇÃO: velocidade com a qual um material é transformado em vapor (evapora) a uma dada temperatura e pressão quando comparada com a evaporação de uma substância determinada. Avaliações de saúde e risco de incêndio levam em consideração a taxa como um aspecto importante.

TECIDOS: pano feito de fibras. Muitos tecidos são feitos de fibras naturais, obtidas de plantas e animais. As fibras podem ser coladas para produzir tecidos como o feltro, mas, em geral, são transformadas em fios, que então são tramados ou tricotados para fazer panos. A lã vem das ovelhas. O pelo de cabras, coelhos e camelos também é usado como tecido. O algodão obtido das fibras da vagem do algodoeiro, o fio de linho é feito de fibras do caule do linho. A seda é feita de casulos de bicho-da-seda.

TECNÉCIO (Tc):  um elemento de transição, metálico e radioativo. Um dos seus isótopos pode ser usado na etiquetagem em diagnoses médicas.

TECNOLOGIA: é o conhecimento prático expresso pelo conjunto de métodos, técnicas, utensílios e instrumentos construídos pelo homem ao longo da história para dominar e tirar proveito das forças e recursos da natureza.
A tecnologia moderna é definida como ciência aplicada. Inclui o estudo sistemático e cientificamente orientado dos materiais, formas de energia, utensílios, ferramentas e máquinas, e também dos processos, técnicas e organização do trabalho.

TECNOLOGIA QUÍMICA: um conjunto de conhecimentos que permite a promoção e o domínio dos fenômenos que obedecem as Leis Naturais, as que regem a transformação da matéria, para usufruto e benefício do homem.

TEFLON: o nome comercial para uma forma de politetrafluoretano. Os átomos de flúor ligam-se muito mais fortemente à cadeia de carbono do que os átomos de hidrogênio. E por isso, a cadeia longa politetrafluoroetileno (TEFLON), resiste à mudança.
Não se queima, não se dissolve, nem se cola a coisa alguma. Em 1944, o teflon começou a ser usado como revestimento de frigideiras.

TELA DE AMIANTO: usada para distribuir unifor-memente o calor recebido pela chama do bico de Bunsen.

TELÚRIO (Te): um semimetal prateado que pertence ao grupo 16 (calcogênios) da tabela periódica. O elemento é usado em semicondutores e também se adicionam pequenas quantidades ao chumbo.

TÊMPERA: tratamento de um metal para reforçá-lo. Um objeto de metal pode entortar ou quebrar com o uso. Se antes de ser moldado o metal é temperado, torna-se mais duro e mais forte. A têmpera envolve o aquecimento do metal e seu rápido resfriamento com óleo ou água.
O metal é então reaquecido e resfriado devagar.
Outro tratamento em que o metal é aquecido e resfriado devagar é o recozimento; ele torna o metal mais forte e mais fácil de modelar.

TEMPERATURA: valor indicado no termômetro e caracteriza o movimento das moléculas de um corpo; quanto maior a temperatura mais agitadas estão as moléculas.

TEMPERATURA DE CONGELAMENTO: a temperatura na qual um líquido congela. O ponto de congelamento normal é a temperatura de congelamento sob pressão de 1 atmosfera.

TEMPERATURA CRÍTICA: temperatura acima da qual não conseguimos liquefazer um gás com aumento da pressão.

TEMPERATURA DE CRISTALIZAÇÃO: considerando uma solução saturada, é a temperatura em que um soluto começa a cristalizar e se separar do solvente, onde estava dissolvido, formando um precipitado.

TEMPERATURA DE EBULIÇÂO: (1) temperatura na qual um líquido ferve. (2) a temperatura na qual um líquido está em equilíbrio com seu vapor na pressão das vizinhanças; a vaporização ocorre então através do líquido, não somente pela superfície do líquido. 

TEMPERATURA DE FUSÃO: a temperatura na qual uma substância muda do estado sólido para o estado líquido. O ponto de fusão normal é a temperatura de fusão sob pressão de 1 atmosfera.  

TEMPO: medição precisa do avanço do passado ao futuro. Um evento, como a queda de uma pedra ao chão, dura uma certa quantidade de tempo. Nós medimos o tempo em unidades como segundos usando relógios e outros instrumentos. Normalmente, movemo-nos no tempo em um fluxo constante e em apenas uma direção, ao futuro. Não podemos parar ou reverter nosso movimento no tempo. No entanto, a relatividade explica como esse movimento pode ser retardado.

TENACIDADE: é a resistência que a matéria apresenta ao choque mecânico, isto é, ao impacto. Dizemos que um material é tenaz quando ele resiste a um forte impacto sem se quebrar.  Observe que o fato de um material ser duro não garante que ele seja tenaz; são duas propriedades distintas. Por exemplo: o diamante, considerado o material mais duro que existe, ao sofrer um forte impacto quebra-se totalmente.

TENSÃO INTERFACIAL: é a medida do trabalho requerido para aumentar a interface, tendo as mesmas unidades da tensão superficial.

TENSÃO SUPERFICIAL: a propriedade de um líquido que o faz comportar-se como se a sua superfície estivesse revestida por uma pele elástica. A propriedade resultante de forças intermoleulares: uma molécula no interior de um líquido sofre interações de outras moléculas igualmente de todos os lados, enquanto que uma molécula à superfície é apenas afetada pelas moléculas abaixo dela no líquido. A tensão superficial é responsável pela formação de gotas de líquido, bolas de sabão, de superfícies na forma de meniscos e a capacidade de líquidos de molhar uma superfície.

TENSOATIVOS: ou surfactantes, são substâncias que atuam na tensão superficial dos líquidos. Os sabões e detergentes diminuem a tensão superficial da água, pois diminuem a atração entre as moléculas de água.

TENSOATIVO ANFÓTERO: agente tensoativo contendo em sua estrutura tanto o radical ácido como o básico. Esses compostos quando em solução aquosa exigem características aniônicas ou catiônicas dependendo das condições de pH da solução.

TENSOATIVO ANIÔNICO: agente tensoativo possuindo um ou mais grupamentos funcionais que, ao se ionizar em solução aquosa, fornece íons orgânicos carregados negativamente e que são responsáveis pela tenso atividade.

TENSOATIVO CATIÔNICO: agente tensoativo possuindo um ou mais grupamentos funcionais que, ao se ionizar em solução aquosa, fornece íons orgânicos carregados positivamente.

TENSOATIVO NÃO IÔNICO: agente tensoativo que não fornece íons em solução aquosa e cuja solubilidade em água se deve à presença, nas suas moléculas, de grupamentos funcionais pos-suindo forte afinidade pela água.

TEOR ALCOÓLICO: uma medida da quantidade de álcool etílico (etanol) nas bebidas. Uma vez que para o álcool etílico a 100% (álcool absoluto) é atribuído um teor alcoólico igual a 200, uma garrafa que indica um teor alcoólico igual a 80 tem 40% de álcool em água.

TEOR CALÓRICO: é o teor de energia de um alimento geralmente medido pela unidade do Sistema Internacional denominada caloria (cal), hoje também usada a unidade quilojoule(kJ).

TEORIA: uma coleção de idéias e conceitos usados para explicar uma lei científica.

TEORIA ATÔMICA: uma teoria que inclui informações sobre a estrutura e as propriedades dos átomos, os tipos de compostos que eles formam e as posições dos seus elétrons. Também fornece informações sobre os grupos atômicos, períodos, bem como massa, volume e densidade.

TEORIA CINÉTICA DOS GASES: cinética vem do grego e significa “movimento”. Daniel Bernouilli, um matemático suíço, acreditava que os átomos que compunham os gases sempre em movimento muito rápido, colidiam uns com os outros e com as paredes dos recipientes que os continham. Se a temperatura se eleva, os átomos movem-se com maior rapidez, colidindo-se com mais força, o que faz com que fiquem um pouco mais afastados uns dos outros. Conseqüentemente, o volume aumenta quando a temperatura se eleva e diminui quando a temperatura cai, se a pressão permanecer constante. Se o volume for mantido sem qualquer mudança, a pressão (força com que os átomos atingem as paredes) aumenta quando a temperatura subir, e diminui quando a temperatura descer.

TEORIA DAS COLISÕES: a teoria de reações bimoleculares elementares na fase gasosa na qual assume que as moléculas reagem somente se colidem com uma energia cinética mínima característica.

TEORIA DO FLOGÍSTICO: proposta inicialmente por Johann Joachim Becher, e desenvolvida por Georg Ernst Stahl, tentava explicar o mecanismo das transformações por meio do flogístico, origem do fogo. O flogístico não se confundia propriamente com o fogo, mas era a sua substância. Quando se calcinava um metal, era preciso transferir-lhe uma certa quantidade de flogístico, que poderia ser obtida acendendo uma vela ou outra substância que, ao queimar, liberava flogístico.
Com esta teoria, previram-se muitos resultados químicos posteriormente comprovados pela experiência. Até os processos de metabolismo animal eram explicados por meio do flogístico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário