quarta-feira, 7 de maio de 2014

TERMOS - LETRAS Ga => Ge

GADOLÍNIO (Gd): um elemento prateado e macio da série dos lantanídeos. O metal aplica-se, de forma limitada, em tecnologia nuclear em ligas ferromagnéticos (com cobalto, cobre, ferro e cério). Os compostos do gadolíneo são usados em componentes elétricos.

GAIOLA QUÍMICA: na dimensão nanométrica, moléculas podem funcionar como gaiolas químicas e, como tal, transportam um princípio medicamentoso ativo até o mesmo ser liberado num ambiente fisiológico adequado.

GALACTOSE (C6H12O6): um açúcar simples, estereoisométrico com a glucose, que ocorre naturalmente como um dos produtos da digestão enzimática do açúcar do leite (lactose) e como constituinte da goma arábica.

GALENA (PbS) uma forma mineral de sulfeto de chumbo II,  que cristaliza no sistema cúbico; o principal minério de chumbo. Normal-mente ocorre em cubos metálicos verdes, fre-qüentemente em associação com a prata, arsênio, cobre, zinco e antimônio.

GALINHO DO TEMPO: o cloreto de cobalto II é um sal de cor azul que se hidrata facilmente, passando a cloreto de cobalto II dihidratado, de cor rosa. Enfeites como “galinhos”, “gatinhos” e outros bibelôs são recobertos com esse sal e mudam de cor em função da umidade do ar.

GÁLIO (Ga): um elemento prateado e macio do grupo 13 da tabela periódica. O metal tem alguns usos de pouca importância, como ativador em tintas luminosas, mas o arsenito de gálio é largamente usado como semicondutor em muitas aplicações.

GALVANOPLASTIA: podemos definir galvanoplastia como a tecnologia responsável pela transferência de íons metálicos de uma dada superfície sólida ou meio líquido denominado eletrólito, para outra superfície, seja ela metálica ou não. Este processo usa a corrente elétrica, sendo chamado de “eletrólise”.

GALVANIZAÇÃO: consiste em revestir metais com outros metais, como se fosse uma película de tinta, para evitar a corrosão. Por exemplo, galvanizar o ferro ou aço consiste de revesti-los com zinco metálico para evitar sua corrosão. O zinco foi escolhido por se oxidar mais facilmente o ferro. O zinco reveste a superfície do ferro como se fosse uma camada de tinta, impedindo seu contato com o ar úmido ou com a água que contém oxigênio dissolvido. Se o ferro fosse "riscado" e exposto ao ar e a umidade, ele estaria sujeito a ser oxidado a cátion ferro II solúvel na água, mas este seria imediatamente reduzido a ferro metálico pelo zinco, impedindo o aparecimento da ferrugem. O zinco neste caso esta atuando como metal de sacrifício, ou seja, um metal propositadamente colocado em contato com o ferro para que seja oxidado em lugar dele, preservando-o.

GAMA ( oɣo ): são ondas eletromagnéticas de alta energia, com grande poder de penetração e altíssima velocidade. Tem massa zero e carga elétrica zero.

GANGA: parte não aproveitável da massa de uma jazida mineral (minério).
Designação aplicada no caso de minérios metálicos.

GARRA DE CONDENSADOR: usada para prender condensador, balões, erlenmeyer, etc. à haste do suporte.

GARRAFAS DE VINHO: são guardadas deitadas nas adegas, por isso estas são construídas de modo a permitir que as garrafas fiquem em repouso num ambiente pouco iluminado e em posição horizontal. Sabe-se que assim há menor probabilidade de o vinho azedar. Por quê ? Ao deitar a garrafa a rolha é umedecida pelo líquido e, em consequência, incha. Assim seus poros são fechados impedindo a entrada do oxigênio do ar, o responsável pela deterioração do vinho.

GARRAFA PLÁSTICA: é feita pelo processo chamado de “assopro”. Essa técnica consiste em lançar violentamente a massa fundida contra as paredes internas do molde, através de um jato de ar. Assim são feitos os frascos plásticos para desodorantes e as garrafas descartáveis para água mineral e refrigerantes.

GARRAFA TÉRMICA: as garrafas térmicas baseiam o seu sucesso na elevada resistência à transferência de calor. A parede externa é separada da interna por vácuo fazendo com que a convecção e a condução de calor sejam mínimas, visto que praticamente não existem moléculas neste compartimento. Por sua vez, essas duas paredes são prateadas para minimizar a transferência de calor por radiação.

GÁS: um estado da matéria no qual a matéria em questão ocupa todo o volume disponível independentemente da sua quantidade.

GÁS ASFIXIANTE: gases ou vapores agressivos utilizados em ações militares ou policiais. Podem ser: sufocantes, quando agem por asfixia (cloro, fosgênio, cloropicrina); vesicantes, quando produzem lesões cutâneas e atacam os olhos e as vias respiratórias (gás mostarda); irritantes, quando provocam espirros, tosse e vômitos (difenilclorarsina, difenilcianarsina, etildiclorarsina); lacrimejantes (brometo de xilila, iodacetato de etila); e paralisantes, quando causam a morte imediata (cianeto de hidrogênio).
GÁS CARBÔNICO: anidrido carbônico ou dióxido de carbono, um gás incolor e sem cheiro, CO2, solúvel em água, em etanol e em acetona. Ocorre na atmosfera (0,03% por volume), mas tem uma vida curta nesta fase já que é tanto consumido por plantas durante a
fotossíntese, como produzido na respiração e na combustão.

GÁS COMBUSTÍVEL: combustível gasoso, utilizado em motores de combustão interna, tal como gás natural, gás liquefeito de petróleo ou biogás.

GÁS COMPRIMIDO: um gás ou mistura gasosa que, em um recipiente, terá uma pressão absoluta maior do que 40 psi a 21.1°C (70F), 104psi a 54.4°C (130F), ou um líquido tendo pressão de vapor acima de 40 psi a 37.8°C (100F). O manuseio de gases sob pressão requer muito cuidado e atenção, pois qualquer defeito no equipamento pode provo-car uma difusão de gases no ambiente.
O gás difundido pode ter efeitos: anestésico, asfixiante, tóxico ou formar misturas extremamente explosivas com o ar. Não devemos esquecer que, na grande maioria, os gases são inodoros e incolores, dificultando assim sua rápida identificação.

GÁS DA ÁGUA: uma mistura de monóxido de carbono com hidrogênio, produzido quando passsamos vapor de água super aquecido sobre o carvão. Usado para fazer gás combustível.

GÁS DA MADEIRA: apresenta a seguinte composição, em volume: monóxido de carbono ( 50% ), dióxido de carbono (30%), hidrogênio (5%) e hidrocarbonetos (15%).

GÁS DA MORTE(H2S): um dos mais temidos agentes de riscos encontrados em alguns campos de petróleo é o sulfeto de hidrogênio. Também conhecido por Gás Sulfídrico, Gás de Ovo Podre, Gás de Pântano, etc.
Ele pode originar-se de várias fontes e muitas vezes é resultante de processos de biodegradação da matéria orgânica vegetal e animal. Este gás já foi o responsável por diversos acidentes, sendo alguns deles fatais, pois é extremamente tóxico e inflamável. Em algumas plataformas de extração de petróleo os empregados mantêm máscaras de fuga, presas a sua cintura durante as 24 horas do dia e disponíveis para uso a qualquer momento. Nós seres humanos também produzimos H2S e o exalamos através da respiração (25 a 200 ppb) e do trato intestinal (25 ppm). Na indústria do petróleo o H2S poderá estar presente nos reservatórios de petróleo e nos campos onde há injeção de água do mar. Pode ser resultante de mecanismos de dissolução de sulfetos minerais, da decomposição de compostos orgânicos sulfurados e da atividade de bactérias redutoras de sulfato.


GÁS DE CARVÃO: um combustível gasoso produzido pela destilação destrutiva do carvão. Contém hidrogênio (50%), metano (35%) e monóxido de carbono (8%).

GÁS DE GERADOR: gás combustível feito do coque. A injeção de ar na queima do coque produz gás de gerador, que contêm monóxido de carbono. O uso de vapor no lugar do ar produz gás de água, que contêm hidrogênio e monóxido de carbono. Esses gases são utilizados como combustível na indústria, e na obtenção de produtos químicos.

GÁS DE HULHA: a hulha ou carvão mineral quando submetida a uma destilação seca pode produzir: gás de hulha, amônio, alcatrão da hulha e coque (resíduo) nesta ordem de saída. O gás de hulha consiste predominantemente de gás hidrogênio, em torno de 50%, e gás metano, em torno de 30%, sendo também encontrados outros gases como monóxido de carbono, nitrogênio e alcenos, utilizado como combustível doméstico ou industrial. Do gás de hulha é possível se separar etileno (para a produção de polietileno) e metano (que por oxidação produz formaldeído, matéria prima básica para a formação das resinas fenolformaldeído, uréia-formaldeído e melamina-formaldeído).

GÁS DE SÍNTESE: uma mistura de monóxido de carbono e hidrogênio produzida pela reação catalisada de um hidrocarboneto e água.

GÁS DO RISO: é o óxido nitroso que quando aspirado produz uma sensação vertiginosa, intoxicante, tornando a pessoa sugestionável, rindo ou chorando imoderadamente, ou apresentando outras exibições emocionais. Foi o primeiro anestésico químico verdadeiro, sendo muito usado na odontologia.

GÁS ELETROLÍTICO: o gás altamente explosivo formado através da eletrólise da água. É constituído, em volume, por duas partes de hidrogênio e uma parte de oxigênio.

GÁS HILARIANTE (N2O): o protóxido de azoto ou óxido de dinitrogênio, foi preparado pela primeira vez por Priestley em 1772, e em 1799 Davy conseguiu determinar a sua composição e as suas propriedades.
Também chamado gás hilariante, é um gás incolor, não inflamável e de odor ligeiramente doce. É obtido pela decomposição térmica do nitrato de amônio ou da hidroxilamina. Decompõe-se a altas temperaturas produzindo oxigênio, podendo, portanto manter a combustão. Tem propriedades anestésicas e analgésicas quando usado em proporções elevadas.

GÁS IDEAL: este gás apresentaria moléculas com volume desprezível e forças entre elas também desprezíveis e as colisões entre as moléculas seriam perfeitamente elásticas, ocupando todo o volume disponível.
GÁS INFLAMÁVEL: um gás que, à temperatura ambiente e pressão normal, forma uma mistura explosiva com o ar a uma concentração de 13% (em volume) ou menos, ou um gás que sob as mesmas condições forma uma variedade de misturas inflamáveis com o ar maior do que 12% em volume, independente do limite menor.

GÁS LACRIMOGÊNEO: é um gás que provoca uma forte irritação nos olhos.
Ex: cloro-acetona (CH3 – CO – CH2 – Cl),
bromo-acetona (CH3 – CO – CH2 – Br) ou
acroleína (CH2 = CH – COH). 

GÁS MONOATÔMICO: é um gás composto somente de átomos não ligados. Exemplo os gases nobres. 

GÁS MOSTARDA (C4H8Cl2S): apresenta a seguinte fórmula estrutural:( Cl – CH2 – CH2 – S – CH2 – CH2 – Cl )
O nome gás mostarda foi dado devido à cor semelhante do condimento e ao seu efeito picante sobre a pele.
A atuação desse gás se deve, entre outras coisas, à sua reação com a água, produzindo cloreto de hidrogênio (HCl), o responsável pela irritação da pele, dos olhos e
do sistema respiratório.

GÁS NATURAL: é um combustível fóssil, encontrado em rochas porosas no subsolo, podendo estar associado ou não ao petróleo. Sua formação resulta do acúmulo de energia solar sobre matérias orgânicas soterradas em grandes profundidades, do tempo pré-histórico, devido ao processo de acomodação da crosta terrestre.
É composto por gases inorgânicos e hidrocarbonetos saturados, predominando o metano(CH4) e, em menores quantidades o propano(C3H8) e o butano(C4H10), entre outros.
No estado bruto, apresenta também baixos teores de contaminantes, como o nitrogênio(N2), o dióxido de carbono(CO2), a água(H2O) e compostos de enxofre. Mais leve que o ar, o gás natural dissipa-se facilmente na atmosfera em caso de vazamento. Para que se inflame, é preciso que seja submetido a uma temperatura superior a 620°C. A título de comparação, vale lembrar que o álcool se inflama a 200°C e a gasolina a 300°C. Além disso, é incolor e inodoro, queimando com uma chama quase imperceptível. Por questões de segurança, o GN comercializado é odorizado com compostos de enxofre enxofre. A principal vantagem do uso do gás natural é a preservação do meio ambiente. Além dos benefícios econômicos, o GN é um combustível não poluente.
Sua combustão é limpa, razão pela qual dispensa tratamento dos produtos lançados na atmosfera. É um ótimo substituto para as usinas a lenha e nucleares, diminuindo os níveis de poluição, de desmatamento e de acidentes ambientais.

GÁS REAL: suas moléculas ocupam um volume finito, há pequenas forças entre as moléculas e em gases poliatômicos as colisões são até certo ponto inelásticas.

GÁS SARIN: de fórmula química C4H9PFO2, é produzido através da combinação de três compostos não tóxicos. Em sua forma de vapor, este gás é mais denso que o ar, portanto tende sempre a descer quando lançado em um local. Este gás é altamente solúvel em água e penetra em vários tipos de materiais, como tinta, plástico, borracha e madeira. Uma vez penetrado nestes materiais o gás se liberta lentamente durante um longo período de tempo, tornando muito perigosa a permanência em locais fechados atingidos por ele.
O Sarin é um neurotóxico letal. Pode ser absorvido através da respiração e do contato com a pele ou mucosa da boca e dos olhos. Uma vez na corrente sanguínea o gás Sarin afeta o sistema nervoso central causando desmaios, convulsões e colapso nervoso. Uma vez inalado, o Sarin mata em poucos segundos.

GÁS SULFÍDRICO: ou sulfeto de hidrogênio, um gás com odor de ovos podres, solúvel em água e etanol, muito venenoso. Pode ser encontrado no mar e nas emissões vulcânicas. Em solução aquosa é chamado de ácido sulfídrico, sendo fracamente ácido.

GÁS SULFUROSO: também conhecido como anidrido sulfuroso, dióxido de enxofre (SO2) ou óxido de enxofre IV. Gás incolor que pode ser liquefeito com relativa facilidade. Odor sufocante, veneno corrosivo. Solúvel em água e ao reagir com ela forma sulfito de hidrogênio ou ácido sulfuroso (H2SO3). Utilizado na produção de compostos químicos, como alvejantes, como preservativo em indústrias alimentícias (cerveja, vinho, etc.), como extintor de incêndio em minas.

GASEIFICAÇÃO: o termo gaseificação é usado para descrever as reações termoquímicas de um combustível sólido (carvão, biomassa) na presença de ar ou gás oxigênio (O2), em quantidades inferiores à estequiométrica (mínimo teórico para a combustão) e vapor d’água (H2O(v)), com a finalidade de formar gases que podem ser usados como fonte de energia térmica e elétrica, para síntese de produtos químicos e para a produção de combustíveis líquidos.
  O principal produto da gaseificação apresenta-se como uma mistura de gases: monóxido de carbono (CO), hidrogênio (H2), dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), traços de enxofre (S), outros hidrocarbonetos leves impurezas. A composição final do gás proveniente da gaseificação dependerá, entre outros aspectos, das condições de operação como temperatura, pressão, tempo de residência, das características da matéria prima (matérias voláteis, carbono fixo, cinzas, enxofre, reatividade, etc.), do tipo de reator e das características dos agentes gaseificantes: ar ou oxigênio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário